Cerca de 1.500 artistas e trabalhadores do setor cultural de Maricá receberam os auxílios disponibilizados pela Lei 14.017/20, conhecida como Lei Aldir Blanc. Esses profissionais foram selecionados através de ações emergenciais destinadas ao setor e desenvolvidas pela Prefeitura de Maricá, através da Secretaria de Cultura.

Para receber o benefício, a pasta cadastrou grupos, companhias, produtoras, demais espaços, organizações culturais e artísticas, além de artistas dos mais diversos segmentos, incluindo os mais antigos trabalhadores das artes de Maricá. O processo para a disponibilização do benefício ocorreu em três etapas. Foram elas: cadastro, análise e liberação da verba. Conforme a Lei foram contemplados no Inciso II os coletivos artísticos, grupos, companhias, bandas e ateliês.

Segundo o Secretário de Cultura, Sady Bianchin, o objetivo da Prefeitura de Maricá foi o de atender o maior número possível de artistas dos quatro cantos da cidade. Ao todo, foram beneficiados 147 empresas, instituições culturais e coletivos/espaços culturais, com uma média de 10 componentes por grupo, que receberam subsídio emergencial entre R$ 3 mil  a R$ 10 mil; 120 artistas individualmente pelo Edital Claudinho Guimarães que receberam o prêmio de R$ 1,5 mil e 40 artistas mais idosos, homenageados por terem mais de trinta anos dedicados à cultura, no Prêmio Sidney Santos, que receberam R$ 3 mil.

Para o secretário, o pagamento do auxílio emergencial deve diminuir alguns dos impactos causados pela pandemia da Covid-19. “O município de Maricá recebeu o repasse do Governo Federal no montante de R$ 1,1 milhão. Esse foi o maior aporte financeiro recebido pela Cultura. Pela primeira vez na história do Brasil a Cultura move a economia”, avaliou Sady.

O secretário informou ainda, que a contrapartida será feita em forma de exposições, lives, oficinas e shows que serão realizados pelos coletivos. Já no edital Claudinho Guimarães cada artista individualmente fará uma performance artística que varia de voz e violão a uma contação de histórias, passando inclusive por lives especiais.  “O prêmio Sidney Santos vai gravar um depoimento de cada artista que nesses últimos 30 anos trabalharam para o engrandecimento da cultura da cidade de Maricá”, anunciou Sady.

Beneficiada pela Lei, a artista plástica Bianca Branco, afirmou que o auxílio emergencial chegou em boa hora. “Com a pandemia todos nós fomos de alguma forma prejudicados, mas a classe artística, principalmente os artistas plásticos como eu, ficaram sem nenhuma fonte de renda”, lamentou Bianca. “Desde o início da quarentena não parei de pintar e com o dinheiro que recebi da Lei Aldir Blanc pude pagar minhas contas e comprar mais material”, contou a artista.

Ainda segundo Bianca o cadastro para receber o benefício foi feito de forma rápida e simples. “O cadastro foi muito fácil de fazer. A Secretaria de Cultura nos deu todo o apoio, inclusive os profissionais que não tinham computadores receberam o suporte necessário”, frisou.

Já o escultor, retratista e bonequeiro, Sergio Biff, contou que o auxílio emergencial foi fundamental, pois o período de pandemia lhe fechou algumas portas. “Tive seis festivais cancelados, o que foi bem difícil, mas como tenho outras opções, pois também faço móveis, consegui me manter por um tempo”, relatou.

Sérgio contou ainda que o lado bom da pandemia foi ter ficado mais em Maricá, em um momento que o município se mostrou forte e conseguiu gerir bem a crise. “Os artistas daqui se uniram e a Secretaria de Cultura nos abraçou e se mostrou muito acessível às nossas demandas. Hoje estou com o aluguel adiantado, as contas de luz estão pagas e fiz os reparos necessários no meu carro, veículo que é utilizado para realizar meus trabalhos”, comemorou. “Agora estamos definindo qual será a contrapartida cultural que iremos oferecer ao município”, disse o artista.

© 2020, Redação Maricá. Todos os Direitos Reservados.

error: O conteúdo está protegido !!
× Como podemos te ajudar?