Alunas de Dança Cigana das Casas do Idoso Mais Feliz do Centro e de Itaipuaçu, equipamentos vinculados à Secretaria de Políticas para a Terceira Idade, e do Grupo Lua e Universo Cigano, sairão pela primeira vez em uma ala do G.R.E.S União de Maricá. A escola desfilará dia 25/02, na Avenida Intendente Magalhães, em Campinho, Rio de Janeiro.

É quinto ano da escola, que tentará o acesso ao Grupo A este ano. O primeiro ensaio com a ala de dança cigana aconteceu sábado (01/02) e a expressão das dançarinas era só de animação e alegria. Os diretores da escola Henrique Cabral e Edmundo de Aquino, além do puxador de samba Matheus Gaúcho, elogiaram as novatas. “A maioria não tem experiência de samba nem passarela, mas demonstrou vitalidade e samba no pé, dançando e cantando o samba- enredo com bastante entusiasmo”, disse Cabral.

Junto, se apresentaram o 1º e o 2º casal de Mestre Sala e Porta Bandeira, John e Stefany, e Geovani Felix e Kalane, além de passistas e uma ala de street-dance. “Nossa escola foi campeã em 2016 do Grupo B e agora tentaremos passar para o Grupo A. Nossa intenção é chegar ao Grupo de Acesso e concorrer no Grupo Especial, mais à frente”, declarou Edmundo.

O samba, criado pelos compositores J.P., Pedrinho Cassa, Roberto Cardoso, Pedro Correia, Gilmar Nogueira, Natal, João Vidal e Delson Patrício, traz o tema “Nos Tempos Idos”, que trata da vinda de negros escravos fugidos de Salvador (BA), para a Pedra do Sal, entre os bairros do Estácio e a Praça XI, Rio de Janeiro, onde fundaram um quilombo.

“O samba é forte e as menções sobre a escravidão no Brasil estão muito bem amarradas, com linguagem e imagens da época. A Ladeira da Pedra do Sal hoje é um monumento histórico celebrado em eventos culturais”, disse um dos compositores.

Rita Brandão, 83 anos, aluna de Dança Cigana, moradora de Ubatiba, adorou . “Mais uma experiência de vida. Estou muito feliz”, garantiu ela, que é bisavó.  

Denise Severo, 57, costureira do figurino do grupo Lua e Universo Cigano, disse que nunca desfilou e que a oportunidade é única. “A começar pelo samba, que é belíssimo, e pela possibilidade de inserir uma ala de dança cigana na escola. Muito bom”, afirmou.

Virgínia Leite, 67, comemorou junto ao filho, a estreia na escola. “A professora Cecília foi convidada pela diretoria da escola e nos convocou. Agora, é só decorar o samba e cair na folia da passarela. Só alegria”, declarou.

A secretária de Políticas para a Terceira Idade, Lezirée Figueiredo, disse que alunas de outras atividades, assim como professores, já participam em outras alas da escola. “Recebi o convite da Dança Cigana para participar da ala, o que farei com muito orgulho. É mais uma iniciativa da escola e uma prova das políticas públicas para o idoso, em Maricá”, garantiu.

Fonte: PMM
Foto: Fernando Uchôa

© 2020, Redação Maricá. Todos os Direitos Reservados.

error: O conteúdo está protegido !!
× Como podemos te ajudar?