Durante a pandemia, o projeto Saúde de Ponta a Ponta, que mensalmente visita os bairros para a realização de exames previamente agendados pela Central de Regulação, tem estacionado por cinco dias consecutivos na Av Roberto Silveira, próximo da Rodoviária do Povo, no Centro, onde se encontra desde o dia 15/06 e permanece até esta sexta-feira, dia 19/06.

Cerca de 200 exames, como densitometria, mamografia, eletrocardiograma e ecodoppler são realizados diariamente no veículo, o que fez com que a demanda de várias especialidades fosse zerada no município, já que são atendidos pacientes cadastrados em todos os Postos de Saúde da cidade. Em alguns casos, os resultados são entregues na hora. Outros, pela necessidade de laudo médico, demoram um pouco mais.

É importante ressaltar que o fluxo de atendimento dentro do caminhão está sendo feito respeitando as normas de segurança para a pandemia (uso do álcool gel e máscaras, espera pelo atendimento do lado de fora do veículo, de acordo com o horário marcado para cada paciente).

Moradora de Guaratiba, Rosa Bandeira de 69 anos aguardava nesta quinta-feira (18/06), para realizar sua densitometria óssea. “Eu vim encaminhada por um geriatra. Demorei apenas uma semana para fazer o exame. Para mim, isso aqui está sendo ótimo porque foi detectado que eu estou com perda óssea e eu preciso saber como está meu caso, se adiantado ou estagnado. O resultado leva em torno de 30 dias e vai ser encaminhado direto para o Posto de Saúde”, contou.

Jussara Campos Villar de 81 anos, mora em Itaipuaçu e faz acompanhamento no Posto de Saúde da Rua 34. “O médico me mandou fazer um ecodoppler venoso porque eu estou com as veias da perna esquerda doendo muito. Demorou um pouquinho e eu nem faço ideia de quanto seja esse exame, mas o atendimento daqui é ótimo e eu vou poder levar o resultado agora. Isso é ótimo, porque aí já marco o médico logo”, explicou.

Marília Souza da Silva de 51 anos e Giucileia Quintanilha de 63 anos aguardavam por Alcidir da Silva de 64 anos que estava no veículo fazendo um ecodoppler. “Nós viemos de Nossa Senhora da Lapa em Silva Jardim trazer meu cunhado porque lá não tem como fazer esse exame. Aí eles entraram em contato com a Secretaria de Saúde daqui ontem e marcaram para hoje. Lá está muito difícil, para fazer esse tipo de exame leva em torno de um ano. Já saímos daqui hoje levando o resultado, aí vamos marcar o medico para mostrar”, disse Marília.

“O valor desse exame é muito alto, em torno de R$ 700. Para quem ganha um salário, fica impossível pagar. Ele fez uma cirurgia de coração, está tendo problemas nas varizes, sentindo muita dor. Como estava passando muito mal, começamos a pesquisar e apareceu essa oportunidade da gente vir pra cá. Nos juntamos e demos um jeito de vir. Eu queria esse caminhão lá no meu município”, completou Giucileia, irmã de Alcidir.

Segundo a Coordenadora da Central Municipal de Regulação, Tereza Abraão, todo mês, pacientes de outros municípios são encaminhados para realizar alguns exames nos ambulatórios da cidade. “A gente tem Programação Pactuada Intermunicipal (PPI), então recebe pacientes de Rio Bonito, Niterói, Tanguá e Itaboraí para fazer exames como urologia, estudo urodinâmico e endoscopia nasal. Nesse caso específico, o paciente foi encaminhado para o caminhão pela urgência do caso”, esclareceu.

Secretária de Saúde, Simone Costa frisou: “O atendimento através do Saúde de Ponta a Ponta não é pactuado com outros municípios, só fazemos em Maricá. Mas pode acontecer de termos alguma vaga e aceitarmos casos de emergência de outros municípios como esse”, concluiu.  A data da próxima edição do Saúde de Ponta a Ponta ainda não foi definida, mas será na segunda quinzena de julho.

© 2020, Redação Maricá. Todos os Direitos Reservados.

error: O conteúdo está protegido !!
× Como podemos te ajudar?